Categorias
Desabafo Otimismo Reflexão

Desconstruindo mitos: a verdadeira reforma do Ensino Médio

Tenho visto inúmeras manifestações de colegas professores e gente de outras áreas criticando a tal “reforma do ensino médio” trazida pela MP 746/2016 e me permito também fazer minhas considerações e desconstruir alguns MITOS em torno do tema:

 

  1. MITO 1: “Eles estão acabando com a Educação no Brasil”

Ao contrário de muitos, EU LI a Medida Provisória e ASSISTI A ENTREVISTA COLETIVA DO ME e fiquei satisfeito com a clareza e as propostas de uma reforma ousada e modernizante; pelo que vi nos comentários, evidentemente, os contrários parecem não estar informados o suficiente. Finalmente teremos um Ensino Médio semelhante ao de países que já avançaram nessa etapa da formação.

 

  1. MITO 2: “Esse Governo Temer quer impor uma reforma sem a participação da população e das escolas”.

Concordo com a crítica de que fazer reforma em educação por meio de MP é um erro. No entanto, há quantas décadas esperamos alguma mudança relevante que não consegue ser concretizada? Desde pelo menos 1996 – quando do lançamento da LDB – nenhum governo brasileiro conseguiu propor algo que fizesse o ensino avançar. Além disso, o resultado trazido pela MP é sim consequência de acaloradas discussões que se estenderam nos últimos anos e não é decisão isolada do Governo Temer, como pode ser visto pelo vídeo abaixo que traz comentários da ex-Presidente Dilma:

 

  1. MITO 3: “Não vai ter mais Artes, Sociologia e Filosofia nas escolas”.

Não, a MP NÃO ACABA COM O ENSINO DE ARTES OU COM A EDUCAÇÃO FÍSICA, pois são disciplinas que continuam obrigatórias na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, no caso de Artes e Educação Física e até metade do Ensino Médio, no caso de Sociologia; foi feita uma flexibilização apenas no Ensino Médio. Formalizaram, isso sim, uma prática que já está acontecendo há alguns anos com a Ed. Física em que a própria LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira) permite em uma série de situações a dispensa dessa disciplina.

 

  1. MITO 4: “Eles querem um retorno à escola da Ditadura Militar, com Educação Moral e Cívica”.

Não, a EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA OU OSPB NÃO VÃO VOLTAR. Não há menção alguma a isso na MP. Ao contrário, finalmente, o ensino do nível médio será dividido em áreas do conhecimento, a saber, Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Formação Técnica e Profissional. Finalmente o Ensino Médio vai servir para alguma coisa e integrar o Ensino técnico.

 

  1. MITO 5: “O aluno vai sair mais burro do que antes, já que não vai ter que estudar tudo”.

Outra falácia, já que até a primeira metade do 2º ano do Ensino Médio (1200 horas), praticamente nada muda, pois vai seguir a BNC (Base Nacional Curricular Comum). As escolhas que poderão ser feitas pelos alunos só valerão a partir do 2º semestre do 2º ano (mais 1200 horas), o que, em tese pelo menos, ajudará a todos num aprofundamento natural daquelas áreas em que têm maior facilidade, talento ou interesse naturais. Além disso, o sistema agora prevê o ACÚMULO DE CRÉDITOS na curso escolhido e, em nada, impede o aluno de fazer disciplinas em outras áreas, se quiser.

 

Assim que mais mitos aparecerem, comento!

Categorias
Desabafo

Os 10 Mandamentos: como acabar com a educação

I. Pagarás mal o seu professor e garantirás que jamais tenha uma boa formação, tornando a profissão escolha de quem não teve outra opção.

II. Afastarás o quanto puder a universidade da escola e criarás teorias que jamais se aplicarão no mundo real.

III. Universalizarás o acesso à escola, mas não darás condição para que os profissionais da educação desempenhem bem as suas funções.

IV. Aprofundarás gradualmente a distância entre a rede pública e a rede privada, de forma a parecer que tudo que é pago é melhor, mesmo não sendo verdade.

V. Aplicarás avaliações externas que sejam encaradas como única saída para melhoria na educação, fazendo com que as escolas tornem-se apenas preparatórias para esses testes e não formem o aluno de maneira integral.

VI. Nomearás secretários e ministros puramente pelo caráter político da indicação e que desconheçam as carências do sistema.

VII. Favorecerás a privatização da educação, permitindo que grupos que se importam mais com lucro que com a formação sejam bem sucedidos, ampliando a criação de cursos de péssima qualidade, mas que aumentem a cada ano o número de matrículas.

VIII. Reduzirás o orçamento da Educação toda vez que o país entrar em crise, pois gastos com a máquina são muito mais importantes do que manter e ampliar a nível educacional da população.

IX. Discursarás a favor da qualidade do ensino, promoverás debates acalorados no Congresso e dirás que a educação é única saída para o país, mas não moverás uma palha para que isso se concretize.

X. Mas apesar de tudo, jurarás de pés juntos que tudo está melhor e que nunca nenhum outro governo fez tanto pela educação.

por Danilo Pastorelli

Categorias
Desabafo

Viva a nova classe mérdia!

– Prófi, essa é a última aula sua que vou assistir esse ano. – disse sorridente a aluna.

– Calma, fia, ainda tem chão até o final do ano. – respondi, intrigado.

– Eu sei, prófi, mas vou pra Disney e não volto antes de dezembro.

Eu sei que “nunca antes na história desse país” a classe média viajou tanto; sei também que é direito de todo pai de família proporcionar aos filhos a viagem dos sonhos; sei que é um orgulho poder oferecer aquilo que não tiveram na infância; sei ainda mais que a classe média adora ostentar.

No entanto, foi mais um golpe baixo de um professor já violentado por essas e outras tantas.

Sem perceber, o ilustre pai – assim como tantos outros durante todo o ano letivo – acabou de ensinar a sua filha que não há problema algum em perder semanas de aulas. Que não há a menor necessidade de se seguir o planejamento e muito menos o calendário escolar entregue no início do ano.

Para que? Há tantas coisas mais interessantes que a escola para se ver! A Disney, por exemplo.

Na ânsia de consumir a tal viagem dos sonhos, pais acabam incutindo em seus filhos o desprezo pela educação, o desprezo pela regra, a valorização do “jeitinho brasileiro”. No final do ano tudo se resolve. “A gente conversa com o diretor”. Depois cobram dos filhos uma série de posturas que não aplicaram enquanto pais.

O desprestígio que a educação em nosso país vem sofrendo é em boa parte responsabilidade dos pais, que não conseguiram entender a importância que ela representa na vida dos seus filhos e da sociedade como um todo.

Sem o apoio e a participação efetiva dos pais na educação dentro e fora da escola não há  formação do cidadão consciente do seu papel social. É preciso que ambos, família e escola, tenham claras as suas responsabilidades e que uma não funciona direito se não tiver ao lado a presença da outra.

Atualmente temos em sala entre 30 e 40 alunos; sei de escolas com até 50 alunos por turma. Manter a disciplina e, muito mais importante que isso, a motivação pelas descobertas que a educação pode proporcionar, é tarefa ingrata se não pudermos contar com a ajuda dos pais.

Às vezes tenho a impressão que a ascensão social tem emburrecido uma camada importante da nossa sociedade. O acesso a bens antes não consumidos tem enebriado os chefes de família que têm valorizado o ter em detrimento do ser. Sei que a frase pode soar piegas, mas o fato é que tenho sentido claramente que as relações entre professores e alunos passaram a ser muito mais de caráter comercial – cliente e prestador de serviço – que de caráter educativo.

Ao pagar pelo serviço educação (pouco ou muito, não importa), as famílias passaram a entender que tem os mesmos direitos de quem compra uma TV ou uma camisa. E no caso da educação não é assim que funciona. Educação não é simples produto, por mais que se pague por isso.

Entendamos uma coisa: nós, professores, garantimos não apenas a transmissão do conteúdo programático das disciplinas das séries em que atuamos; temos um papel que vai além da mera prestação de serviço. Gostem ou não, tem cabido a nós a educação (formal e informal) da maior parte dos nossos alunos, por conta do peso que a profissão dos pais representa e a consequente ausência que isso gera.

Temos cuidado dos seus filhos, apresentado valores importantes como o respeito ao outro, o cumprimento das tarefas mais corriqueiras, o estímulo ao raciocínio e ao espírito crítico, buscado o desenvolvimento de cidadãos mais completos e conscientes da sua responsabilidade na formação de um mundo melhor.

Nas palavras de Rubem Alves, o bom professor é aquele que faz o aluno pensar.

Mal ou bem, é o que tenho buscado fazer com meus alunos nas aulas de História. Fazê-los refletir e questionar o tempo inteiro o mundo em que vivemos. Do nosso bairro ao continente.

Não é possível imaginar que seus filhos, senhores, são apenas nossos clientes. Estão conosco muito mais tempo do que com os senhores. Portanto, olhem-nos como aliados, como parceiros que somos e sempre seremos.

por Danilo Pastorelli