África nos tempos do tráfico atlântico

África nos tempos do tráfico atlântico

[…] Mas que vejo eu aí… Que quadro d’amarguras!
É canto funeral! … Que tétricas figuras! …
Que cena infame e vil… Meu Deus! Meu Deus! Que horror!

É com esse trecho do “Navio Negreiro” de Castro Alves que inicio a aula sobre o tráfico de escravos durante o Brasil colônia. A partir do poema, introduzimos a apresentação do tema que contemplou:

  • origens dos escravos
  • comércio e possessões portuguesas na África
  • quilombos e resistência
  • escravidão nos dias de hoje

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s